20111214

Faz um milagre em mim

Em dezembro de 2009 escutei pela primeira vez a música Faz um milagre em mim com Regis Danese. Uma linda musica falando sobre Zaqueu e um desejo profundo de que Jesus entrasse em sua vida. Hoje não só as igrejas evangélicas cantam esta música, esta musica está em muitos grupos de oração da Igreja Católica espalhados pelo Brasil a fora. Cantada nas missas, às vezes. Não estou querendo tirar a beleza, mas denunciar algo que falta na música:
O Evangelho que fala de Zaqueu esta no Evangelho de Lucas no capitulo 19, 1-10.
Zaqueu era cobrador de impostos que diz o Evangelho ser muito rico e desejava ver Jesus, o Evangelho não entra num aprofundamento da razão, apenas revela ser um desejo. Com sua baixa estatura, Zaqueu sobe numa árvore:

Como Zaqueu quero subir
O mais alto que eu puder...

Subir reflete o desejo de Zaqueu, talvez ele tenha chamado a atenção de Jesus ao subir na àrvore, talvez eLE tenha visto o esforço de Zaqueu e viu ali algo sincero e diferente dos outros que estava em sua volta, talvez ali percebeu mais um filho de Abraão. Alguns teólogos fazem teses sobre o que motivou o desejo de Zaqueu subir na árvore, mas apenas me atenho ao Evangelho que diz ser um desejo.

Logo depois a música entra com uma estrofe assim:

Entra na minha casa
Entra na minha vida...

Mas existe um pedido de Jesus a Zaqueu a qual a música oculta:

Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse: “Desça depressa, Zaqueu, porque hoje preciso ficar em sua casa” (Lucas 19,5)

Se Zaqueu uma vez subiu para ver Jesus, e viu, também precisou descer para que Jesus ficasse em sua casa. No Evangelho o fato de subir, tem a mesma importância do descer. Zaqueu subiu, viu e ao mandato de Jesus, desceu. Descer para zaqueu era romper com seu egoísmo e com a ganância que o tornou rico, isto mostra para nós que precisamos descer dos nossos pecados para que Jesus fique em nossa casa. Nossos impostos hoje em dia chegam a nossas casas através do correios, que nos entrega e pagamos em um banco. Na época de Jesus, existiam cobradores de impostos, encarregados a cobrar os devedores e estes tinham fama de corruptos, cobravam os impostos do povo a mais e embolsavam o que sobrava dessa falcatrua. Daí, então, estes não eram bem vistos, eram pecadores.

Para se encontrar com Jesus, Zaqueu precisou descer depressa, assim que eLE o chamou. E o capítulo 8 prova a conversão de Zaqueu: “A metade dos meus bens, Senhor, eu dou aos pobres; e se eu roubei alguém, vou devolver quatro vezes mais”. A consciência dos erros e a partilha são para quem obedeceu A Jesus e desceu da sua árvore.

20111206

"Os pequenos", segundo São Paulo

(Romanos 14, 20-21) – “Por causa de um alimento, não destruas as obras de Deus! Certamente, tudo é puro, mas é errado comer alguma coisa dando escândalo. É melhor abster-se de carne e de vinho e de qualquer coisa que possa fazer teu irmão tropeçar”.


(1º Coríntios 8, 9-13) - “Mas tomai cuidado para que essa vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos. Pois, se alguém que tem a consciência fraca te enxergar, a ti que tens conhecimento, comendo num templo de ídolo, será que sua consciência não será induzida a comer carne oferecida aos ídolos? E, então por causa do teu conhecimento, perece o fraco, o irmão, pelo qual Cristo morreu. Assim, pecando vós contra os irmãos e ferindo sua débil consciência, pecais contra Cristo. Pelo que, se a comida serve de ocasião de queda a meu irmão, jamais comerei carne, a fim de que eu não me torne ocasião de queda para o meu irmão”.

Lendo estas duas passagens das cartas de São Paulo, podemos entender o que ele dizia sobre os “fracos” e “os oprimidos”, por quem Cristo morreu. A palavra às vezes não educa, é necessário o testemunho. Morrer para os apegos, viver para Cristo e para o irmão. O que há em nós que pode provocar queda no irmão de consciência fraca? Esta é a verdadeira luta revolucionária, a qual nós temos que travar contra nossos caprichos e apegos para que o irmão tenha vida.

Também cuidar do irmão mais necessitado materialmente, mas nunca pensar que esta num campo de concentração envolto por inimigos. A guerra que precisamos travar é contra nós mesmo, os inimigos do homem são seus pecados e seus egoísmos, principados e potestades que dominam o mundo.
Não existem católicos de esquerda e nem de direita. O que existe são pastores que juram fidelidade a Igreja e a trai na sua primeira homilia, chamando-a de imperialista e opressora nas entrelinhas. Como um esposo que fez os juramento matrimonial de fidelidade e trai a sua esposa nos dias das núpcias.

Hoje a neutralidade é morbidez, uma ofensa aos mártires da Igreja. Se “quem ama viu a Deus”, também, “quem ama o mundo não possui o amor do Pai” ou “Sabemos que somos de Deus ao passo que o mundo pertence ao maligno”. (frases da 1ª Carta de São João). Podemos ter pastores que realmente querem nos libertar dos nossos pecados ou apenas ficar apontando o pecado do consumismo e falando de acolhimento, fraternidade.

É triste ver alguém dizer: Católico pode tudo, enquanto vão encontrando refúgio em igrejas protestantes fundadas por tantos pastores que vivem por ai e abandonando a Igreja fundada por Cristo. Aprendendo mentiras sobre a Igreja católica porque não tiveram ninguém que lhe ensinasse a verdade.

20111126

Pai prevenido

Não somente levar um prato de comida ao necessitado, não só partilhar o que têm, não só ter fraternidade, não só acolher e ter unidade. Ensinar estas coisas são importantes, mas não bastam no mundo de hoje.

Quantos jovens existem viciados em crack no Brasil? Quantas meninas se prostituindo? Quantas gravidez interrompidas? Quantos homens embriagados morrem em acidente de carro por ano? Quantas familias destruidas pelo acoolismo, quantas pessoas amanhecem jogadas pelas ruas devido a este vicio? Quantas traições acontecem? Quantos assassinatos?...

Não, não dá pra se limitar a ensinar somente a dar um prato de comida ao mais necessitado. Acolher é importante, mas não basta. É importante ser fraterno, mas não basta.

O mundo precisa que você ensine que droga destroi o homem, que não se deve perder a dignidade com a prostituição, que ninguém deve tirar a vida do outro, que não se deve trair... Não, não basta dar um prato de comida a quem tem fome. O mundo precisa de bons conselhos, as pessoas precisam de um pai, quem sabe eles escutam.

Já existe muita gente neutra que nada querem ensinar, já existem pessoas entorpecidas por uma mentalidade acritica, pessoas que mais nada querem conhecer pensando que sabem tudo: é só amar, partilhar...

Enguanto isto o dono da cervejaria induz sorrateiramente as pessoas a beberem, querendo uma casa na praia e um iate novo; Enguanto isto o traficante vai ficando cada vez mais poderoso e comprando mais armas com o dinheiro que ganha, após ensinar que droga é bom ao seu filho; a filha vai se prostituindo sendo ensinada pelos ficantes que vai tendo pela vida; e por causa das drogas vai roubando, matando...

O pai bom fica com o coração cortado em ver seu filho nas drogas; uma boa mãe corta o coração em ver sua filha se prostituir; ainda existem esses pais que não deixaram seu coração se prostituir com o mundo. Não, não basta um prato de comida.

20111118

Amizade que liberta

Lembro-me quando tive meu encontro pessoal com o senhor: eu era DJ, tinha uma aparelhagem de som, saia dando bailes por ai a fora... Tinha umas amigas que sempre nas festas que eu fazia ficavam na minha frente, dançando e sempre vinha uma delas me pedir alguma música. Aos sábados quando não tinha festa sempre saia a noite, ia para baladas e freguentava lugares onde não devia estar.

Tinha feito minha primeira comunhão com 18 anos e fuji da igreja logo em seguida. Perto das baladas e longe da igreja, fui vivendo minha vida. Até que um dia minha irmã, que era catequista da crisma, me chamou para vir estudar com ela. Pensei: por que, não? E fui. Até mesmo porque uma das minhas amigas era catequista e estava nos bailes comigo, fazer a crisma não significava mudar.

Fiz a crisma e até ai tudo bem. Mas logo em seguida fui chamado a ser ministro da Eucaristia, aceitei sem muito saber o que fazia. Fui aprendendo o que era âmbula, sanguinho, corporal, em fim. Certo dia o Padre disse para mim: No domingo de manhã seu grupo fará uma celebração da Palavra. Isto causou pane no ministro da Palavra do meu grupo, que disse não está preparado para tal celebração. Você deve se preparar que quando for assim, irá pregar: disse-me o Padre.

A partir deste dia comecei a ler a Bíblia e refletir sobre o que ali estava escrito. Passei por uma crise, o que estava escrito ali estava longe do que eu ouvia nas missas. Cheio de perguntas e o Padre só me dizia: não é bem assim. Ao mesmo tempo no meu coração se enchia de convicção, foi quando comprei um catecismo e passei a estudar. E a convicção virou certeza, havia algo errado.

Com o passar do tempo algumas músicas já não cabiam mais no repertório, assim com certos tipos de danças, certo lugares eu já não devia estar e infelizmente minhas amigas não me acompanharam. A minha linguagem mudou porque minha consciência mudou, mudou os conceitos, mudou minhas roupas, mudou minha vida... As pessoas que eu mais amava não me acompanharam, por mais que eu não quisesse minhas escolhas incomodavam.

Vou dar exemplo: Fui coordenador do grupo jovem e mesmo não querendo o padre da comunidade me permitiu ensinar o Catecismo da Igreja, na falta de subsídio convenci-o a ensinar assim. O grupo começou a dar resultado. Quando organizamos uma caravana para ir ao PHN, algumas pessoas organizaram uma van para ir a um baile funk famoso aqui do Rio. Aqui sempre teve padre da teologia da libertação e devido à metodologia autônoma de Paulo Freire toma uma postura neutra nestas questões, para eles não se deve ensinar nada.

Mas quase todo mundo sabe que se os pais não ensina seu filho que droga é ruim, o traficante que não é neutro ensina a usar e diz que é maravilhosa; é aquela velha estória: se não aprende em casa, aprende na rua, ou melhor, hoje se aprende até em casa sentado no sofá. Minhas amigas aprenderam coisas na rua que os fizeram desacreditar na religião. Uma delas, somente uma delas ainda participa da comunidade, é meio neutra, também, mas ainda está lá.

Enquanto eu me dôo, acolho, oro, rezo, ensino o pouco que sei e que nosso verdadeiro amigo é Jesus Cristo, coloco nas mãos de Deus. Quem sabe um dia terei os amigos que mais amava felizes ao lado de Deus.

“Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida pelos seus amigos. Vós sois meus amigos se fazeis o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz. Eu vos chamei de amigos, porque vos comuniquei tudo que ouvi do meu Pai”. (João 15,13-15)

20111113

Netos da ditadura

Às vezes me pego a pensar o que está acontecendo com as pessoas: Unidade onde moras? Compartilhar, dividir, bem comum... O que são estas palavras nos dias de hoje? O imperialismo da lei do egoísmo, a ditadura do egocentrismo, a opressão de um sistema ganancioso e corrupto.

Analisando Nietzsche e Marx entendo alguns sociólogos modernos, porque para eles religião era o ópio do povo: Religião é algo que poda o egoísmo humano, que poda o egocentrismo, que poda a ganância e sendo assim, segundo eles, a religião contribui para a pobreza. Para o socialismo, o egoísmo e a ganância são pulsões para que o ser humano lute por melhorias sociais e serem prósperos. Por isso odeiam os Evangelhos genuínos, as leis da igreja e chamam de tais coisas de opressoras. O que move o socialismo é o bem estar financeiro, a saída da opressão da pobreza para uma vida próspera e imanente.

De onde vem individualismo: não é do coração? Não vêm de sentimentos como o egoísmo e a ganância? De onde vem a corrupção: não é de uma pulsão que parte do coração do indivíduo? Não vem de dentro, de um mau desejo? Se não podamos, criamos seres egoístas, gananciosos... Teremos cada vez mais corrupções e individualismos.

A Igreja é blasfemada nas faculdades, criticada como uma mentalidade imperialista e opressora, porque poda o egoísmo humano, mesmo que as bases científicas sejam questionáveis. Professores de filosofias fazem de tudo para convencer as pessoas a não existência do transcendente, ensinam uma liberdade egocêntrica e ditatorial.

Mas a Igreja sempre irá ensinar que só existem duas opções: ou o homem domina suas paixões ou será dominado por elas. É bem simples de entender, o homem que acha ter uma consciência autônoma é alienado por suas paixões e vive em função delas, em um estágio mais avançado é escravizado pelas próprias. O individualismo é sintoma do homem escravizado.

O que existe hoje é uma idéia de liberdade opressora, uma verdade de acordo com a própria mentalidade, uma autonomia interesseira, uma anarquia individualista. É difícil explicar a mentalidade do homem moderno, tão cheio de si e vazio de Deus. Os governantes dizem serem filhos da ditadura, mas que possuem pais em outros séculos.

A mentalidade do socialismo atual é manter as pessoas com sede, mas só bebe aqueles que estão mais perto da fonte, aqueles que conseguem se beneficiar do sistema. Enquanto o pobre, o oprimido, morre de sede: sede de casa própria, sede de água e de comida e principalmente sede de Deus.

20111106

Purgatório, o que é?

Purgatório é uma palavra muito polêmica no meio cristão. Existe uma visão errada de purgatório onde o mesmo é apontado como uma terceira via, mas purgatório não é uma terceira via.

Após a morte – segundo a Igreja Católica – o homem só tem dois caminhos: Ou ele vai para a salvação eterna ou para a condenação eterna, não existindo assim, então, a terceira via. Há na Igreja Católica uma afirmação que se existe salvação fora da amizade do cristo e da Igreja, este caminho a Deus pertence.

Deus para Igreja católica é puro Espírito e 3x Santo e ninguém aqui na terra, a não ser Jesus Cristo, conseguiu morrer puramente ou sequer 1x santo, daí então a Igreja católica acredita em um fogo purificador. Este fogo seria para aqueles que morreram na amizade do cristo, a fim de purificarem para entrar na presença de Deus.

Uma das bases da Igreja para realidade do Purgatório está no livro dos Macabeus e assim como o dia de finados. O livro dos Macabeus tem uma canonicidade polêmica, mas que é aceito pela Igreja católica porque Jesus fez referencia a este livro, sendo assim a Igreja não têm duvida ao afirmar que se Jesus lia, tem valor. Outra referencia está no capítulo 12,32 do Evangelho de Mateus:

“Mesmo se alguém falar uma palavra contra o filho do homem lhe será perdoada. Mas se falar contra o Espírito Santo, não será perdoado, nem neste mundo, nem no mundo que a de vir”.

Neste trecho do Evangelho Igreja acredita que certas faltas serão perdoadas no mundo que a de vir, que o homem não morre puro, daí a necessidade do purgatório para entrar na presença de Deus já que o homem não sofre várias reencarnações purificadoras, vive e morre uma única vez.

Os que morrem na graça e na amizade de Deus, mas não de todo purificados, embora seguros da sua salvação eterna, sofrem depois da morte uma purificação, a fim de obterem a santidade necessária para entrar na alegria do céu. A Igreja chama Purgatório a esta purificação final dos eleitos, que é absolutamente distinta do castigo dos condenados. A Igreja formulou a doutrina da fé relativamente ao Purgatório, sobretudo, nos concílios de Florença e de Trento. A Tradição da Igreja, referindo-se a certos textos da Escritura fala dum fogo purificador: (C.I.C 1030 e 310)

20111024

O gigante e o anão

Em um reinado distante certo dia nasceu um gigante que com o passar do tempo foi adquirindo muita força e inteligência. Quando completou a maior idade se tornou um gladiador, ninguém conseguia vencê-lo, ganhava todas as lutas por ser grande, forte e inteligente. Logo adquiriu muitas riquezas, muitas pessoas lhe veneravam. Não há quem vença o gigante gladiador, rico em força e inteligência: diziam todos.

Neste reinado o Rei precisou levar sua coroa para o ourives, tinham caído algumas pérolas e perdera o brilho. O Rei pensou em chamar o ourives ao seu reinado, mas o ourives se recusou dizendo que não tinha condição para trabalhar naquele lugar. O jeito era transportar a coroa.

O Rei não pensou em cavaleiros e guerreiros para fazer o transporte, mas num pequeno anão, o qual ele confiava pela sua honestidade e para escoltá-lo mandou chamar o homem mais forte do reino: o gigante gladiador.

Partiram então, os dois, em direção ao ourives, lá iam gigante gladiador na frente com sua espada em punho e atrás aquele pequeno anão com a caixa da coroa na mão.

Em um determinado ponto da floresta o gigante gladiador parou, enquanto o anão observou que ele afundava na areia movediça, logo o anão pegou um galho de árvore, levou em direção ao gigante, mas ele não segurou e continuou afundando. O anão correu com suas perninhas pequenas em passos largos até um estábulo que tinha visto no caminho, pegou a corda que amarrava os bois e voltou correndo. Chegando ao local amarrou a corda na árvore para que o gigante gladiador puxasse e saísse de lá.
Mas o gladiador não segurou na corda e afundou até a morte, na sua prepotência não aceitou ser salvo pelo anão.

20111021

Simbolos e significados

O que é simbolo?

No sentido etimológico a palavra simbolo tem uma explicação complicada: é um tipo de signo, algo que possui alguma significação, que representa algo, é um elemento essencial no processo da comunicação.
Os símbolos são apresentações gráficas de idéias e neles podemos concentrar:
Identificações
Objetivos
Propósitos
Idéias
Portais para contatos com o mundo espiritual (ocultismo)
Representação de crenças.

Hoje muitos cristãos carregam simbolos sem identificá-los, e muitas vezes não usariam se conhecessem seu significado. A Palavra de Deus é cheia de símbolos, esta simbologia era usada para passar uma mensagem sem que os inimigos percebessem, por exemplo: o livro do Apocalipse, no momento de perseguição era usado uma simbologia para esconder os acontecimentos, diretrizes e direcionamentos enviados para uma determinada comunidade.

Para muitos os símbolos podem representar um pacto ou afinidade com uma filosofia, ou uma religião, ou até mesmo usada na inocência. Meu objetivo é levar os católicos a identificá-los e qual o propósito de sua existência, daí na sua liberdade, achar se deve ou não compactuar com este modismo.

Significado de alguns simbolos cristãos:


*Jesus crusificado ou crusifixo: Sem dúvida um dos mais antigo simbolo cristão. Representado por Jesus e a cruz. Jesus crusificado simboliza o imenço amor que Deus teve para com o homem. Se quizermos saber o quanto Jesus nos ama, é só olhar para cruz e ver o sofrimento que ele passou para nos livrar do pecado, nos salvar. O crusifixo representa o maior ato de amor que a humanidade ja comtemplou.







*O Tau é a última letra do alfabeto hebraico; a décima nona letra do alfabeto grego; sinal bíblico usado pelo profeta Ezequiel:

“Chamou o Senhor Deus o homem vestido de linho branco, que trazia à cintura os instrumentos de escriba e lhe disse: percorre a cidade, o centro de Jerusalém, e marca com um “T” na fronte os que gemem e suspiram devido a tantas abominações que na cidade se cometem.” (Ez 9,3-4) E Todo aquele que tinha sido assinalado com o “T” foi poupado do extermínio.

*O Papa Inocêncio III (1160-1216) explica o sentido do Tau: “Tem a forma de Cruz; quem o traz consigo, vive sua fé.”

*Símbolo da ordem franciscana: São Francisco teve grande veneração por esta letra, pois lhe lembrava o grande amor de Cristo por nós. O Tau para os franciscanos é a lembrança da Redenção, da Cruz, do Amor; Sinal de penitência e conversão interior; Sinal de dor pelos pecados do mundo; Recordação de nosso batismo; nossa marca de Filhos de Deus; Sinal de salvação. São Francisco selava o que escrevia com o Tau, para significar a densidade do Amor de Deus, concretizado na Cruz de Cristo, sinal de Salvação.



*Cristo ressuscitado: Mais precisamente o último momento visível de Cristo na terra, Momento que ele sobe aos céus.


*Símbolo muito usado por adeptos de teologias, tipo: a teologia da libertação, pois segundo eles, a cruz é sinal de opressão.





*Cruz do ressuscitado: Símbolo muito usado por protestantes, pois para eles a ressurreição do Senhor é a pedra angular da religião cristã. Simboliza que Jesus ressuscitou, o madeiro está vazio, Jesus vive, já não está mais na cruz.

*Cruz usada, também, por Padres da teologia da libertação com o mesmo significado protestante. Talvez a cruz do ressuscitado seja o símbolo cristão mais divulgado, hoje em dia.



*"Cruz de Pedro": É uma cruz invertida e de cabeça para baixo, usada para que o sucessor de Pedro sempre se lembre do exemplo de humildade a qual o apóstolo teve ao morrer. Segundo pessoas que conviviam com Pedro, ele também, teria passado pela morte de cruz, mas pediu para que fosse crucificado de cabeça para baixo dizendo que não era digno de morrer igual ao Senhor.

* O membros do movimento “nova era” adotaram esta cruz e também está presente em rituais satânicos no sentido de zombaria a Cruz de Cristo. Devemos aqui alertar aos católicos que se trata de um símbolo adotado por satânistas modernos: Crowley nasceu em 1875 e é considerado o pai do satanismo, o movimento “nova era” nasceu da russa Helena Blavatsky, também em 1875. A Cruz de Pedro assim como a cruz dos Cavaleiros dos Templários são simbolos cristãos criado nos primódios da igreja. Seu verdadeiro significado, no caso da cruz invertida, é de humildade e não de zombaria.


Obs: A cruz sempre foi e sempre será um sinal cristão. Se Deus permite que o satanismo use uma cruz é simplesmente, penso eu, para lembrar-los que já foram derrotados por ela.


Alguns significados de símbolos de outras crenças e movimentos:


*Arco da aliança- é o simbolo da aliança entre Deus e a humanidade, promessa feita a humanidade após o dilúvo que nunca mais irá inundar a terra.

*O nome arco iris vem da mitologia grega, segundo esta mitologia a deusa Iris era uma mensageira que deixava um rastro multicolorido ao passar pelo céu. No caso seria arco de Iris.

*Na cultura yorubá, o arco-íris também é representado como mensageiro divino aos seres humanos na figura do orixá Osûmàrè.

*Símbolo do movimento gay: em 1978 na Parada de São Francisco teve a primeira bandeira com as seguintes cores: Rosa Choque para o sexo; Vermelho para o fogo; Laranja para a cura; Amarelo para o sol; Verde para a natureza; Turquesa para as artes; Azul índigo para harmonia; Violeta para o espírito. O pink, teve de cair, por ser uma cor cara para impressão. No ano seguinte, o índigo foi retirado para que a bandeira tivesse número de cores par e assim pudesse ser dividida durante a parada. Então, a bandeira de 6 cores tomou o mundo e hoje ela serve de sinal em bares e casas noturnas que aceitam gays e lésbicas sem restrições. Também é usada em qualquer manifestação GLBT. Nessa nova bandeira, cada cor tem seu significado: o vermelho é a vida, a laranja o poder, amarelo é a luz, o verde a natureza, o azul a arte e o violeta o espírito.

*É o símbolo principal da “nova era”, mas apresentado só a metade. Ele representa a ponte entre a alma humana individual e a "Grande Mente Universal" ou "Alma Universal". Também é considerado como "Ponte Mental" entre o homem e as energias cósmicas e a cidade de Shambala.

*Yin e Yang: Yin Yang é, na filosofia chinesa, uma representação do príncipio da dualidade, o conceito tem sua origem no tao (ou dao), base da filosofia e metafísica da cultura daquele país. Yang (branco) e Yin (preto). os opostos complementam-se, positivo não é bom ou mau, é apenas o oposto complementar da negativa. Estudando as sombras projetadas pelo movimento do Sol, os chineses montaram um tipo de infográfico indicando a duração de dias e de noites ao longo do ano. Esse equilíbrio, fundamental para a agricultura, passou a representar a importância dos opostos e a presença de um dentro do outro - bolinha preta na parte branca, e vice-versa

*Para a “Nova era” simboliza que Deus e lúcifer se completam, pois para eles, forças opostas são parte da mesma perpectiva divina.

*Fita entrelaçada – Sem fim: Significa a vida entrelaçada, em que há sempre uma continuidade em outras encarnações.


*Também representa o pacto de sangue entre os seguidores da “Nova Era”. É usado para uma melhor obediência entre os aliados deste movimento.



*Signo de Lúcifer: É o simbolo da bandeira de Lúcifer. O cículo representa o planeta terra como reino de satanás, o ponto são os homens, instrumentos a serviço do reino.



*Besouso: Simbolo usado por pessoas que são autoridade dentro do satânismo.

*Olho de horús ou olho de Lúcifer: Horús vem da mitologia egípcia, Horús era filho de Osires e Isis, feriu seu olho em uma batalha a qual, segundo eles, o tornou rei dos seres viventes. Diz esta mitologia que ele tinha cabeça de falcão, pois sua mãe Isis estava em forma de passaro ao deitar com a múmia de Osires seu pai.
*Simbolo usado pelos satanistas que aceitam horús como um deus e usam como um amuleto para prosperidade.


*Casal transpessoal: Simbolo do fim do casamento, representado pela letra ômega, última letra do alfabeto grego. Simboliza a liberdade de solteiro para que sempre fique livre para outros parceiros.




*Cruz quebrada, cruz de Nero ou cruz da paz sem Cristo: Simboliza uma cruz de cabeça para baixo e quebrada com o circulo simbolizando o inferno.
*Simbolo usado para ecologia mundial, pois parece uma árvore de cabeça para baixo.




*Raio: Reconhecimento do poderio de Satanás, senhor satã, e a disposição de estar a seu serviço.




*Netuno: Simboliza a transformação das crenças. Neste simbolo cruz para baixo significa que o catolicismo – cristianismo - será destruído para que o planeta terra seja governado por Maitreya, o novo “messias”.




“Jesus Cristo ontem ,hoje, sempre e eternamente”.

20111011

Procissão e a Bíblia

Procissão: Palavra derivada do verbo latino procedere, e do substantivo processionis, que quer dizer: marchar, caminhar, ir adiante, saída solene, cortejo religioso, etc.

Procissões e a Bíblia:

“Quando se levantava a nuvem sobre a tenda, os Israelitas punham-se em marcha; no lugar onde a nuvem parava, aí acampavam. A ordem do Senhor levantavam o acampamento, e à sua ordem o assentavam de novo” (Nm 9,17-18).

“Viram as tuas procissões, ó Deus, as procissões do meu Deus, do meu Rei, no santuário: os cantores à frente, atrás os músicos, No meio as jovens, soando tamborins. Lá está Benjamim, o mais novo, conduzindo os príncipes de Judá, com vestes coloridas, os príncipes de Zabulon, os príncipes de Neftali” (Sl 67, 25-26. 28).

“Mandei então que subissem à muralha os chefes de Judá e organizei dois grandes coros. o primeiro caminhava no alto da muralha, para a direita, em direção da porta do esterco; atrás dele iam Osaías e a metade dos chefes de Judá - como também Azarias, Esdras, Mosolam, Judá, Benjamim, Semeías e Jeremias, escolhidos dentre os sacerdotes e levando trombetas; depois Zacarias, filho de Jônatas, filho de Semeías, filho de Matatias, filho de Micas, filho de zacur, filho de asaf, com seus irmãos Semeías, Azareel, Malalai, Galalai, Maai, Natanael, Judá, Hanani, com instrumentos musicais de Davi, homem de Deus. E Esdras, o escriba, ia na frente deles. - Chegando à porta da fonte, subiram em linha reta diante deles pelas escadarias da cidade de davi, pelo alto da muralha, e pela subida do palácio de Davi, até a porta das águas, ao oriente. o segundo coro caminhava para a esquerda: eu o segui, com a outra metade dos chefes do povo, pelo alto da muralha, passando por cima da torre dos fornos, até a muralha larga; depois, passando por cima da porta de Efraim, da porta dos peixes, da torre de Hananeel e da torre dos cem, até a porta das ovelhas; paramos na porta da guarda” (Ne 12, 31-39).

Deus disse então a Josué: “Vê! Entrego nas tuas mãos Jericó, o seu rei e os seus homens de guerra. Vós, todos os combatentes, dai volta ao redor da cidade; passai e dai volta a cidade, e os guerreiros marcham diante da arca de deus. Foi feito como Josué havia dito ao povo. Sete sacerdotes levando as sete trombetas de chifre de carneiro diante de deus passaram e tocaram as trombetas; e a Arca da Aliança de Deus vinha atrás deles. os guerreiros iam à frente dos sacerdotes que tocavam as trombetas, e a retaguarda seguia atrás da Arca; e marchando, tocavam as trombetas” (Js 6. 2-3.7-9)

“Desceram, pois, o sacerdote Sadoc, o profeta Natã, Banaías, filho de Joiada, os cereteus e os feleteus fizeram Salomão montar na mula do rei Davi e o conduziram a Gion. O sacerdote Sadoc apanhou na Tenda o chifre e o óleo e ungiu Salomão; soaram a trombeta e todo o povo gritou: “Viva o rei Salomão!” Depois, todo o povo subiu atrás dele, tocando flautas e exultando com tão grande júbilo, que a terra se fendia com seus clamores” (1Rs 1, 38-40).

NOVO TESTAMENTO

“A numerosa multidão estendeu suas vestes pelo caminho, enquanto outros cortavam ramos das árvores e os espalhavam pelo caminho, multidões que o precediam e os que o seguiam gritavam: Hosana ao Filho de Davi...” (Mt 21, 8-9).

“Enquanto o levavam, tomaram um certo Simão de Cirene, que vinha do campo, e impuseram-lhe a cruz para levá-la atrás de jesus. grande multidão do povo o seguia, como mulheres que batiam no peito e se lamentavam por causa dele”
(Lc 23, 26-27).

“Ao descer da montanha, seguiam-no multidões numerosas” (Mt 8,1).

“Jesus, ouvindo isso, partiu dali, de barco para um lugar deserto, afastado. Assim que as multidões o souberam, vieram das cidades, seguindo-o a pé” (Mt 14, 13).

“Depois disso , ele andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa Nova do Reino de Deus. Os doze o acompanhavam, assim como algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria, chamada Madalena da qual haviam saído sete demônios, Joana, mulher de Cuza, o procurador de Herodes, Susana e várias outras, que o serviam com seus bens” (Lc 8, 1-3).

20111003

Teoria da autonomia alienante

Hoje temos um principio inspirado no cientificismo que toda má ação resulta numa má reação, um grande exemplo acontece hoje com a educação brasileira, onde pais são educados a não educar os filhos com palavras contrárias a sua consciência ou algum ato de violência.

A filosofia empregada no sistema de educação brasileiro vai contra o cristianismo, exemplo: ato terrorista de 11 de setembro teria acontecido devido à postura imperialista e ditatorial dos Estados Unidos, uma criança educada de forma dura vira um ser revoltado quando adulto. Estas filosofias negam a origem humana, toma uma postura contrária a religião mesmo passada como metodologia para o crescimento humano. O ser humano não é um ser que nasce pronto e santo, mas é ao contrário necessita ser educado para vida e para a fé, isto implica na necessidade de auxilio externo.

Uma má reação vem da falta de educação humana e religiosa, em muitos vem da tendência e da falta da vivência dos valores corretos. O homem nasce orgulhoso, individualista, dono da própria verdade, à medida que damos autonomia ao ser humano não permitimos que ele cresça para unidade e para partilha. O fato que uma má ação provoca uma reação má não é inteiramente incorreto, mas não chega ao ponto de ser passado como um método imposto a todos.

Esta regra de ação de reação é divulgada hoje pelos meios de comunicação, pelo governo e alguns “religiosos”, teve sua origem no iluminismo e amplamente divulgada por filósofos contemporâneos como Paulo Freire, Leonardo Boff, Piaget. A teoria cognitiva de Piaget não te dá uma referencia de bem e de mal, toma um ar de parcialidade diante destas questões e daí entra a pedagogia da autonomia de Freire onde o educando criaria sua própria educação, fazendo ele próprio o caminho, e não seguindo um já previamente construído; libertando-se, segundo ele, de chavões alienantes, o educando seguiria e criaria o rumo do seu aprendizado. Devemos lembrar que os pais destes filósofos eram socialistas, fruto do iluminismo que ao longo da história teve seguidores anticristãos, por exemplo:

* Freud disse que religiosos são obsessivos que não sobreviveram bem à falta de amor incondicional da mãe e à miserável castração do pai verdadeiro, daí crêem num Deus todo-poderoso que os ama.

*Nietzsche identificou o ressentimento como marca dos religiosos que são todos uns covardes.

*Feuerbach fez uma tese que Jesus é a projeção alienante de nosso próprio potencial.

*Marx acrescentou que essa alienação é concreta e que se ganha dinheiro com isso. Enfim: o religioso é um retardado, ressentido, alienado e pobre, porque gasta dinheiro com o que não deve, a saber, os “profissionais de Deus”.

Cristo nos veio trazer uma metodologia que é baseada no testemunho e no anúncio da Palavra, isto é bem distante da metodologia da educação atual. Se eu agir com “bondade” a reação do outro também será de “bondade”, se agir com “amor” colherei frutos de “amor”, mas com bondade e amor baseado em minha lei natural e não em cristo, ai está o erro da pedagogia da autonomia, é o amor da forma que eu acho e a bondade que penso não provocar no outro o mal. Para esta pedagogia o homem é um ser autônomo, não tem a necessidade de Deus, pois é seu próprio deus.

A base do catolicismo é a mesma do cristianismo que diz: “Deus amou tanto o mundo ao ponto de mandar seu filho unigênito”, o fato é que este Amor de Deus não encontrou uma resposta positiva no ser humano. Cristo a maior prova do amor e da bondade de Deus morreu sozinho na cruz. Teria então Jesus não ter sido “bom”? Vale à pena lembrar que Jesus fez o milagre da multiplicação dos pães, alimentou cinco mil pessoas, não falou uma palavra que pudesse feri-los e mesmo assim a multidão deu uma resposta negativa a este ato de bondade, segui-O apenas para encher a barriga. Na parábola da vinha onde um proprietário planta uma vinha, monta uma torre de guarda e arrenda para agricultores, estes em seus egoísmos maltratam e por fim matam o Filho do dono da vinha de olho na herança. Estas passagens nos mostram sentido contrário à filosofia moderna que diz que uma ação “boa” resulta numa “boa” reação, tão difundida em nossas escolas e igrejas. Se o ser humano é um ser autônomo, Jesus não tinha a necessidade de vir ao mundo. Jesus veio nos dar a resposta de como ser bom e como amar. O homem tem dois caminhos: ou ele segue o projeto de Deus ou ele é alienado por suas paixões.

Em contrapartida o projeto de Deus em Jesus Cristo foi a morte de cruz para salvar toda a humanidade, este fato nos ensina a morrer para os nossos pecados para que “os pequenos” tenham vida atravéz de nós. No entanto a teoria autonoma é contrária ao amor de Cristo.

20110929

O que é igreja?

A Palavra igreja vem da união de ekkle (“para fora” em grego) sia (“convocado”), seria então, a tradução mais correta de ekklesia seria convocado a sair. Igreja no sentido etimológico significa: Assembleia do povo convocado, do povo eleito por Deus. Existem estudos que indicam que a palavra ekklesia também era usada para desgnar “curral de ovelhas”, o que leva a acreditar que é uma palavra adotada pelos cristãos no sentido de Pastor e ovelhas.

Eclésia era a principal assembléia popular da democracia ateniense na Grécia Antiga. Era a assembléia popular, aberta a todos os cidadãos. Foi criada por Sólon em 594 a.C. onde era aberta as portas para que todos nomeassem, votassem nos magistrados e os anos de mandato.

Para o cristianismo a palavra igreja designa a assembléia liturgica, mas também comunidade local, ou toda comunidade universal dos crentes. Não dá para separar um sentido do outro assim como não dá para separar a Samtíssima Trindade. Não existe assembléia sem comunidade, não existe comunidade local sem vínculo universal. Uma completa e forma a outra.

*Igreja no sentido povo:

“ Mas vós sos gente escolhida, um sacerdócio régio, uma nação santa, o povo que ele conquistou, a fim de que proclameis os grandes feitos daquele que vos chamou das trevas para a sua luz maravilhosa”. (1Pedro 2,9)

*Igreja no sentido comunidade de fiés:

“Paulo, Silvano e Timóteo à igreja dos tessalonicenses reunida em Deus, nosso Pai, e nossos Senhor Jesus Cristo”. (2Tessalonicenses 1,1).

“Ao anjo da igreja que está em Éfeso escreve:” (Apocalipse de joão 2,1)


*Igreja no sentido comunidade universal, sentido instituição:

“Então os apóstolos e anciãos, de acordo com toda Igreja, resolveram escolher alguns dentre eles para mandá-los a Antioquia, com Paulo e barnabé” (Atos 15 e 15 ,22).

20110922

O que é religião?

Religião quer dizer religação, mas por que religação? Podemos dizer que se Adão e Eva não tivessem cometido o pecado, chamado de “pecado original”, não existiria a religião, vamos entender:
Deus cria o mundo e coloca no meio do Jardim do Éden a arvore do conhecimento do bem e do mal. Dá uma ordem ao homem para que ele não coma do fruto dessa árvore: “Não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário morrereis”, a astuta serpente induz a mulher a comer, Eva come e faz Adão, também, comer. Essa desobediência é chamada de pecado original, porque veio das origens.

A Igreja diz que o gênero humano é um só homem – como um só corpo de um só homem. Em virtude dessa unidade do gênero humano, todos os homens estão implicados no pecado de Adão, como todos estão implicados na justiça de Cristo. Essa transmissão é um mistério que não conseguimos compreender plenamente. Porém sabemos pela revelação, que Adão havia recebido a santidade e a justiça originais não exclusivamente para si, mas para toda a humanidade. Então o pecado original, apesar de ser pessoal, privou toda a humanidade da santidade e da justiça originais. No entanto, contraímos por herança um pecado que não cometemos e somos desprovidos de santidade e justiça originais. A santidade e a justiça originais ligavam Adão a Deus, o pecado privou, desligou e por conseguencia a humanidade, daí a necessidade da religião. Algo capaz de nos religar a Deus.

Para nos livramos deste pecado que contrairmos por herança necessitamos do batismo, é pelo batismo que todos os nossos pecados são perdoados, bem como o pecado original e todos os pecados pessoas. O batismo não somente nos purifica de todos os pecados, mas também nos faz uma nova criatura, um filho adotivo de Deus, um co-herdeiro com Cristo. Porém o batismo não elimina a propensão ao pecado, as concupiscências são deixadas para o nosso combate e que não são capazes de nos prejudicar, se não as consentirmos resistindo com coragem.

Para essa religação que começa no batismo a Igreja católica dispõe de Sacramentos – Sacramento do batismo é o primeiro deles. Os sacramentos são sinais onde são difundidas a graça de Cristo, onde se manifesta a salvação, a obra necessária e santificante para aqueles que querem viver na amizade com Deus.

Religião é algo capaz de nos religar a Deus, nos levando a santidade e a justiça das origens. Um dos sinais do pecado original é que agora nascemos como deuses. “Eis que o homem tornou-se como um de nós, capaz de conhecer o bem e o mal”. Somos como deuses, cada um nasce com sua própria verdade e não olhamos para a verdade original que está em Deus. Num grupo de amigos um acha, outro pensa que... e poucos concordam devido cada um ter a sua própria verdade. Conversão é justamente largar as nossas supostas seguranças e verdades para seguir o modelo de santidade e justiça originais que para nós cristãos, acreditamos estar reveladas em Cristo.

20110910

Liberdade e amor de Cristo

O que é liberdade?

Liberdade é o poder, radicado na razão e na vontade, de agir ou não agir, de fazer isto ou aquilo, praticando assim, por si mesmo, ações deliberadas. Pelo livre arbítrio, cada qual dispõe de si. A liberdade é, no homem, uma força de crescimento e de maturação na verdade e na bondade. E atinge a sua perfeição quando está ordenada para Deus, nossa bem-aventurança. Enquanto se não fixa definitivamente no seu bem último, que é Deus, a liberdade implica a possibilidade de escolher entre o bem e o mal, e, portanto, de crescer na perfeição ou de falhar e pecar. É ela que caracteriza os atos propriamente humanos. Torna-se fonte de louvor ou de censura, de mérito ou de demérito. (CIC. 1731 e 1732).

O amor de cristo.

Existe uma expressão de amor que é exclusivo dos cristãos. Há uma frase de São Paulo que diz assim: “Tudo me é licito, mas nem tudo me convém”. Segundo alguns estudiosos Corinto era uma cidade que tinha muita prostituição por ser portuária e existia um prostíbulo chamado: “Tudo me é licito”. Logo então, São Paulo preocupado com os Cristãos formula essa frase: Tudo me é licito, isto é, tenho a liberdade de fazer qualquer coisa, pois me é permitido. Diante disto tudo, existe um fato que muda toda essa estória que é o fato de Jesus ter morrido na cruz para nos salvar. Jesus sofreu a morte, morte de cruz por todos nós enquanto ainda éramos pecadores e isto nos chama a morrer pelo irmão.
É licito ir para uma balada e voltar ao amanhecer do dia? É licito; É licito ir pra uma festa onde tem bebida alcoólica, drogas, erotismo, musicas de duplo sentido ou inspirada no amor Eros? Sim, me é licito; É licito vender bebida alcoólica? É licito. Meu livre arbítrio permite que eu faça, eu tenho minha liberdade, não se escandalize. E, também, penso que conheço os perigos e não me deixarei levar pelo “mau caminho”. Mas não me convém.

Por que o amor que Jesus revelou na cruz nos chama a morrer pelos nossos irmãos:

“Se tomando tal alimento, entristeces teu irmão, já não estas procedendo de acordo com o amor. Por causa do alimento que tomas, não seja ocasião de perdição para aquele por quem Cristo morreu”.

“É melhor abster-se de carne e de vinho e de qualquer coisa que possa fazer teu irmão tropeçar”. (Romanos 14, 15 e 21).

“Mas tomai cuidado para que essa vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos. Pois, se alguém que tem a consciência fraca te enxergar, a ti que tens conhecimento, comendo num templo de ídolo, será que sua consciência não será induzida a comer carne oferecida a ídolos? E, então por causa do teu conhecimento, perece o fraco, o irmão pelo qual Cristo morreu. Pecando assim contra os irmãos e ferindo a consciência deles, que é fraca, é contra Cristo que pecais. Por isto, se um alimento, a carne por exemplo, é ocasião de queda para meu irmão, nunca mais comerei carne, para não fazer cair meu irmão”. (Coríntios 8,9-1).

Quanto mais o homem fizer o bem, mais livre se torna. Não há verdadeira liberdade senão no serviço do bem e da justiça. A opção pela desobediência e pelo mal é um abuso da liberdade e conduz à escravidão do pecado (31).A liberdade torna o homem responsável pelos seus atos, na medida em que são voluntários. O progresso na virtude, o conhecimento do bem e a ascese aumentam o domínio da vontade sobre os próprios atos. (CIC. 1733 e 1734).

20110903

Amor de novela e casamento

Muitas pessoas que conheço se perguntaram: Por que meu casamento acabou? Se analisarmos cada um caso, podemos dizer: cada caso é um caso. Existem casamentos que teve tudo para terminar e foi “até que a morte nos separe”, existem outros que tem tudo pra dar certo e dá errado. Têm muita gente que chega neste ponto e diz: é inexplicável.

Com o crescimento das Expressões artísticas modernas, principalmente a televisão, ouve uma maciça divulgação de estórias do tipo contos de fadas. No entanto estas estórias incentivam a ilusão humana e adia a possibilidade de uma consciência mais “pé no chão”. Todos nós somos marcados pelo pecado original e nascemos, todos, como me disse alguém, um dia: “O nosso propósito nesta vida é encontrar Jesus a pérola que o pecado escondeu, é pra isto que nascemos”. Temos tendências, fraquezas, que uma vez incentivadas pelo meio externo tornam realidades destrutivas.

Hoje, principalmente a mulher, esta muito ligada em novelas. Mergulham muitas vezes numa versão poética do amor eros, onde ele e somente ele existe no ser humano, seja o galã ou o vilão se apaixonam e nisto se igualam, somos todos iguais perante o amor; por esse amor se negligencia o passado, a fidelidade, o compromisso diante de Deus...; o humano é um ser individualista que só se relaciona através desse amor. Para fazer essa versão poética do amor eros a novela nega outros sentimentos humanos: na novela sentimentos como a insegurança e o ciúme são negligenciados, o homem pode ter cometido vários delidos, mas o amor faz esquecer o passado. O que na vida real, no dia a dia de um casal, erros do passado devem ficar bem claros como superados. O sentimento de posse pode ter sua origem num passado mal vivido e que gera insegurança em um dos conjugues, não há relação sadia sem arrependimento dos erros, não há uma doação mais pura sem que aja uma consciência reta defendendo valores.

Cada homem nasce com sua “verdade”, com as suas convicções e com isto gera um modo de ser bem particular. Por outro lado este modo de ser e sua “verdade” fazem com que o homem seja iludido por estas estórias em que o amor eros resolverá o problema. Mas quem é Eros? Eros é um deus da mitologia grega, segundo esta mitologia Eros é filho do deus Ades e da deusa Afrodite. Eros se apaixonou – por isto, eros é o amor paixão – por uma deusinha chamada Psique, foi preso por sua mãe a deusa Afrodite que não aceitava esta união. No entanto novelas cometem uma idolatria, divulgam o deus Eros e levam as pessoas ao mesmo erro. O amor eros – a paixão – acaba e ficam as divergências de convicções e verdades por que o amor eros não é capaz de promover arrependimentos e unidades. Pois é um amor egoísta.

O Deus único e verdadeiro colocou no homem uma sede, esta sede pode produzir buscas que nem sempre são saciadas. Após a descoberta desta sede o homem pode buscar preencher da sua própria maneira e desacreditar no amor após algumas desilusões, ou, se deixar levar pelo Amor verdadeiro e fazer a experiência do amor de Deus; se converter, se arrepender e buscar valores. Este último saberá que no mundo há tentações e por isto o amar é quase sempre tomar uma decisão de ser fiel, de ter respeito, de ponderar, aceitar, corrigir e ouvir. E saberá que quando casados surgiram tentações, não será maravilhoso como a proposta da novela: com um feliz para sempre! O maligno sempre tentará destruir e não deixar que um namoro dê certo ou se der, ele vai tentar destruir o casamento. Por exemplo: o mau sempre colocará uma mulher na vida do esposo para que ele possa cair, assim como colocará um homem na vida da esposa, assim como outras situações que possam dividir o que Deus uniu. Jesus ensina: - “Fuji dele e ele afastará de vós”.

Qualquer casamento dá certo se vivido nos valores de Deus e na oração, porque antes de tudo o “Amor é uma faísca de Javé”, é graça de Deus.

20110827

Pior do que pecar

Sempre nós cristãos ouvimos falar sobre o pecado, nos dá medo ao ouvir frases do tipo: “O salário do pecado é a morte”. Entender o pecado é muito simples, pois se Deus nos criou a sua imagem e semelhança, o pecado é tudo que nos retira e desfigura dessa semelhança. O caminho que devemos percorrer nessa vida é o caminho que nos põe de volta a sermos semelhantes a Deus e esse caminho nós acreditamos estar na vida toda de seu filho Jesus.

Os sacramentos católico é justamente a leitura do projeto do Pai que se deu através do Filho, que se dividiu em etapas necessárias para o homem na religião, todos os sacramentos nos apontam a sermos santos, isto é, voltarmos a ser imagem e semelhança DELE. A Igreja descobriu com o passar do tempo que a busca da santidade é diferente em cada estágio da vida e existem pessoas com vocações especificas.

São João fala que aquele que diz não ter pecado está se enganando e não é sincero. Se confessarmos os nossos pecados Deus é rico em misericórdia e irá nos perdoar. Para entendermos o quanto nós somos pecadores é só imaginar Deus o ser 3X Santo e pensar como somos, se compararmos veremos que somos seres extremamente pecadores e necessitados da graça e da misericórdia de Deus.

Como podemos entrar na presença de Deus que é 3X santo em estado de pecado? Mesmo o homem – a não ser Jesus, é claro – que morreu mais santo aqui na terra, morreu com algum pecado e necessitado da graça e da misericórdia. Daí a necessidade do purgatório, porque pecado não entra na presença Deus. Mas é importante entender que o purgatório é para aquelas pessoas que procuraram a se assemelhar a Deus nesta vida através do seguimento da vida todas de Jesus.

Mas Jesus nos alerta que existe uma realidade maior que o pecado, mais perigosa e que está, também, relacionada ao pecado:

“Disse Jesus aos seus discípulos: - É inevitável que surjam ocasiões de pecado, mas ai daqueles que as provoca”. (São Lucas 17,1 bíblia da CNBB).

Em outra tradução está assim:

“É inevitável que aja escândalos; mas ai daquele quem os provoca”. (São Lucas 17,1 bíblia do peregrino)

Somos seres, por natureza, influenciadores e influenciados, não adianta pensarmos que podemos ser neutros neste mundo: se comprarmos uma roupa, podemos levar algum outro a compra a mesma roupa; se pintarmos o cabelo, podemos levar algum outro a pintar o cabelo – cabelo tipo moicano hoje é moda no Brasil por influencia dos jogadores de futebol, por exemplo; assim acontece com as músicas que ouvimos, com o que falamos, aonde vamos...

Quando por algum motivo levarmos o outro a praticar o pecado cometemos o que a igreja chama de escândalo e ele tem mais gravidade para aqueles que tem a função de educar e ensinar. O escândalo nos intima cada vez mais a um maior conhecimento de Cristo, nos chama a um aprofundamento do conhecimento do bem.

São Paulo nos mostra porque é tão errado:
(Romanos 14, 20-21) – “Por causa de um alimento, não destruas a obras de Deus! Certamente, tudo é puro, mas é errado comer alguma coisa dando escândalo. É melhor abster-se de carne e de vinho e de qualquer coisa que possa fazer teu irmão tropeçar”.

(1º Coríntios 8, 9-11) - “Mas tomai cuidado para que essa vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos. Pois, se alguém que tem a consciência fraca te enxergar, a ti que tens conhecimento, comendo num templo de ídolo, será que sua consciência não será induzida carne oferecida aos ídolos? E, então por causa do teu conhecimento, perece o fraco, o irmão, pelo qual Cristo morreu”.

Mesmo na luta diária contra o pecado não estamos livres de pecar. Mas pior, diz Jesus: é dar escândalo.

20110819

Mensagem subliminar e catolicismo

Mensagem subliminar surgiu com James Vicary, um especialista em marketing americano, no ano de 1957. James Vicary patenteou uma nova técnica de vendas que ele nomeou como "projeção subliminar”. Chamada assim, pois lançava imagens mais rápidas do que o olho humano podia captar, ele acreditava que vinculando a esta técnica a propaganda aumentaria o potencial de vendas.

Chama-se subliminar, porque fica abaixo do limiar. Isto é: quase imperceptível. O nosso subconsciente tem uma grande capacidade de guardar informações, informações estas que nem sempre chega ao consciente. Esta mensagem é criada somente para ser percebida pelo subconsciente, afim de que possa iludir nosso consciente e este dar uma resposta positiva a qual é chamada – esta resposta – de percepção subliminar.

As mensagens subliminares estão por ai. O consciente precisa ser bem educado para não ser manipulado por essa técnica de marketing, acredito que o consciente bem educado saberá filtrar o bem. Mensagem subliminar é uma desonestidade com o ser humano, que tenta manipulá-lo e vê-lo como apenas um consumidor. Pouco importa se este tipo de mensagem está destruindo as pessoas, um anuncio tem a finalidade de promover uma marca de um produto ou de uma empresa, ou de promover uma idéia. Mas a fim de alcançar seu objetivo, o publicitário se utiliza inúmeros recursos que tem a finalidade de persuadir o ser humano a consumir um produto.

O que leva alguém comprar um cd de novela e quando ela acaba o cd fica empoeirando na estante? Hoje ninguém escapa dos marketeiros. A revolução industrial teve grandes avanços na tecnologia, ouve muita coisa boa, mas trouxe também, uma influencia negativa no mundo estimulando o ser e o poder de alguns, existem profissões que só é bom quem sabe iludir e manipular as pessoas.

Hoje o catolicismo é uma religião no meio de um caldeirão de doutrinas, têm igreja pra tudo: pra quem quer somente curas, pra quem quer boa situação financeira, pra quem é homossexuais; a moda do esoterismo em várias mídias e livros com Harry Potter, crepúsculo, filmes como “avatar”, novelas, filmes sem fundamento com uma estória de “amor” de uma mulher e um homem que simbolize sonho de consumo... Entre técnica de marketing, mensagens subliminares, ventos de doutrinas até mesmo dentro da Igreja, o ser humano está desinformado sobre Deus. A fé em Deus é algo somente natural, onde não é preciso experimentar, conhecer, tocar, seguir... Preocupado com tudo isto, Bento XVI escreveu assim:

Este subsídio – YOUCAT - ao catecismo não vos adula; não oferece fáceis soluções; exige uma nova vida da vossa parte; apresenta-vos a mensagem do Evangelho como a “pérola de grande valor” (Mt 13, 45) pela qual é preciso dar tudo. Portanto, peço-vos: estudai o catecismo com paixão e perseverança! Sacrificai o vosso tempo por ele! Estudai-o no silêncio do vosso quarto, lede-o em dois, se sois amigos, formai grupos e redes de estudo, trocai idéias na Internet. Permanecei de qualquer modo em diálogo sobre a vossa fé!

Deveis conhecer aquilo em que credes; deveis conhecer a vossa fé com a mesma exatidão com a qual um perito de informática conhece o sistema operativo de um computador; deveis conhecê-la como um músico conhece a sua peça; sim, deveis ser muito mais profundamente radicados na fé do que a geração dos vossos pais, para poder resistir com força e decisão aos desafios e às tentações deste tempo. Tendes necessidade da ajuda divina, se a vossa fé não quiser esgotar-se como uma gota de orvalho ao sol, se não quiserdes ceder às tentações do consumismo, se não quiserdes que o vosso amor afogue na pornografia, se não quiserdes trair os débeis e as vítimas de abusos e violência.

Se vos dedicardes com paixão ao estudo do catecismo, gostaria de vos dar ainda um último conselho: sabei todos de que modo à comunidade dos fiéis recentemente foi ferida por ataques do mal, pela penetração do pecado no seu interior, aliás, no coração da Igreja. Não tomeis isto como pretexto para fugir da presença de Deus; vós próprios sois o corpo de Cristo, a Igreja! Levai o fogo intacto do vosso amor a esta Igreja todas as vezes que os homens obscurecerem o seu rosto. “Sede diligentes, sem fraqueza, fervorosos de espírito, dedicados ao serviço do Senhor” (Rm 12, 11).

Quando Israel se encontrava no ponto mais obscuro da sua história, Deus chamou em seu socorro não os grandes e as pessoas estimadas, mas um jovem de nome Jeremias; ele sentiu-se chamado a uma missão demasiado grande: “Ah! Senhor Javé, não sou um orador, porque sou ainda muito novo!” (Jr 1, 6). Mas Deus replicou: “Não digas: sou ainda muito novo — porquanto irás aonde Eu te enviar, e dirás o que Eu te mandar” (Jr 1, 7).

Abençoo-vos e rezo cada dia por todos vós.


(Papa Bento XVI /Prefácio do “YOUCAT”)

20110815

Santa Missa

O que vemos no quadro da Santa Ceia? Não vemos multidões, apenas seus discípulos e Jesus entre eles. A Santa Missa é uma atualização deste momento, a primeira celebração Eucarística na história da Igreja católica. O milagre da multiplicação dos pães e dos peixes é uma passagem não isolada, mas que não é a celebração Eucarística e sim um sinal, um motivo de credibilidade que nos mostram assentimento da fé.

“O motivo de crer não é o fato de verdades reveladas aparecerem como verdadeiras e inteligíveis à luz de nossa razão”, crer é antes de tudo dom de Deus, mas Deus quis que a nossa fé fosse, também, conforme a razão e devido a isto, Deus permite auxílios interiores do Espírito Santo, os milagres são provas exteriores da sua revelação. No entanto a multiplicação dos pães é a um sinal do seu messianismo. Na Santa Ceia Jesus não esta somente entre os discípulos, após a benção, está no pão transformado no seu corpo e o vinho no seu sangue, isto só é possível por ser onipresente que é carisma somente de Deus. Daí a diferença entre a Santa Ceia e o milagre dos pães e dos peixes que é apenas um sinal.

Os sacramentos do batismo, confirmação e crisma, da ordem, do matrimonio, da reconciliação só existem, por que existiu o evento da Santa Ceia. Estes sacramentos estão ligados diretamente a Ceia que Jesus fez com os seus discípulos, são como um caminhos de discipulado para o maior evento católico que é a Santa missa e principalmente para a celebração eucarística.

Vemos hoje uma confusão pregada por pastores católicos protestantes que unem os dois eventos. Segundo eles Jesus não está no pão na Santa ceia, pois Jesus estava na condição humana - Jesus não era onisciente, onipresente, onipotente até a sua morte. Para a Igreja católica Jesus foi 100% homem e 100% Deus em toda sua vida e não somente Deus na ressurreição. Esta heresia protestante está esvaziando o sentido dos sacramentos e da Santa missa.

Por isto devemos ter sempre em mente o quadro da Santa Ceia se somos católicos e percebemos que ali está o fundamento para a fé que celebramos. Na Santa Missa é Jesus que está ali, atualizando aquele momento, e que proclama a benção e que entrega o seu corpo para nós – “Isto é o meu corpo”. Não podemos ser como aquela multidão na multiplicação dos pães e dos peixes que ouviu Jesus falar algumas verdades e saíram um por um, só queriam encher a barriga e não entenderam que era um sinal:

“Jesus respondeu: -Eu vos asseguro que me procurais, não pelos sinais que vistes, mas por que ficastes saciados de pão”. (João 6,26)

“Jesus lhes respondeu: -Eu sou o verdadeiro pão da vida: aquele que vem a mim não passará fome, aquele que crê em mim não passará sede”. (João 6,35)

“...A partir deste momento, muitos discípulos voltaram atrás e já não andavam com ele”.

Precisamos conhecer melhor as riquezas da nossa Igreja.

20110805

Conversão dos santos.

A referencia dos santos sempre foram ponto forte na Igreja católica, os santos são referencias do evangelho vivido e provado. De pessoas comuns a doutores da Igreja, a santos, a martir. Mas tudo começa de algum modo. Aqui podemos entender um pouco o mandado de Jesus: “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

A mãe de Agostinho havia-o seguido para Milão e insistiu para que abandonasse a relação com a mulher com quem vivia ilegalmente e procurasse outra para casar, conforme as leis do mundo e a doutrina cristã. A amada foi mandada de volta para a África e Agostinho deveria esperar dois anos para contrair casamento legal; mas logo ligou-se a uma concubina.
No verão de 386, após ter lido um relato da vida de António do Deserto, de Atanásio de Alexandria, que muito inspirou-lhe, Agostinho sofreu uma profunda crise pessoal - Segundo a história a chave para esta transformação foi à voz de uma criança invisível, que ouviu enquanto estava em seu jardim em Milão, que cantava repetidamente, "Tolle, lege"; "tolle, lege" ("toma e lê"; "toma e ler"). Ele tomou o texto da epístola de Paulo aos romanos, e abriu ao acaso em 13:13-14, onde lê-se:

"Não caminheis em glutonerias e embriaguez, nem em desonestidades e dissoluções, nem em contendas e rixas, mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não procureis a satisfação da carne com seus apetites"

O ateu Agostinho, decidiu então, se converter ao cristianismo católico, abandonar a sua carreira na retórica, encerrar sua posição no ensino em Milão, desistiu de qualquer ideia de casamento e dedicou-se inteiramente a servir a Deus e às práticas do sacerdócio. Santo Agostinho é considerado doutor da Igreja.

Francisco nasceu provavelmente em setembro de 1182 na cidade de Assis, Itália. Ele não era um jovem diferente dos outros que haviam em Assis. Gostava de festas, bebidas, diversões - “Já crescido, como era dotado de inteligência viva, dispôs-se a continuar o ofício paterno, isto é, a mercancia, porém com outros entendimentos, pois ele era muito mais alegre e liberal do que o pai: gostava de andar em festiva companhia, quer durante o dia quer durante a noite, pelas estradas de Assis, em divertimentos e cantos, e era tão grande esbanjador, que gastava em reuniões e banquetes tudo quanto ganhava” - tinha um grande desejo: o de se tornar um cavaleiro famoso. Então foi para a guerra, tendo sido preso, depois de uma juventude irrequieta e mundana, caiu enfermo. Foi onde Deus revelou a ele um outro caminho, um outro modo de ser grande: seguir Jesus Cristo. Francisco ao ser libertado, voltou para Assis e iniciou uma caminhada totalmente voltada para Deus. Deixou tudo que possuía: dinheiro, casa, família, prestígios, etc., e foi seguir o Senhor que lhe chamava. Passou a viver em pobreza absoluta, a ponto de ser considerado por todos um louco. Mas alguns jovens perceberam que ali havia algo de diferente e de muito grande. Então se desfizeram de tudo o que possuíam e também foram seguir Jesus Cristo, a modo de Francisco. O primeiro deles foi Bernardo, depois Pedro Catani, Egídio, e muitos outros. Então foi preciso escrever uma regra de vida, para que todos pudessem seguir o Evangelho sem o perigo de errarem. Passado algum tempo o papa aprovou o seu estilo de vida, oficializando assim a Ordem dos Frades Menores.

20110729

Barco a vela.

Hoje me imagino quando adolescente: um barco a vela muito seguro, com o leme bem amarrado ao timão, com as velas estendidas e o vento a favor; um enorme motor com um tanque cheio de combustível, bússolas, GPS, rádios de comunicação, uma quilha pesada para me manter sempre na vertical.

Não precisaria ter medo de tempestades, de chuvas, esse barco a vela que era eu, era um abrigo seguro, capaz de voltar ao porto à hora que eu quisesse, na hora que eu bem entendesse. Na minha frente um horizonte, mundos a desbravar, não precisava ter uma rota ou um porto, não precisava chegar em lugar nenhum, apenas navegar.

Com as velas içadas fui navegando pelo mar adentro, conheci mundos novos, cheguei em vários portos, conheci muita gente, de muitos recebi carinho de outros não fui bem aceito. Fui navegando sem dia para voltar, comecei a descobri as fraquezas desse barco que sem rumo a navegar gastou suas velas, o timão de tanto movimento já gastará as engrenagens que movia o leme e assim já meio sem rumo perdia a esperança de um dia voltar.

Sempre via outros barcos que me seguia ao me ver passar, não sei onde estão alguns. Talvez não eram tão fortes não resistiram às tempestades; talvez não tinham bússolas, GPS e se perderam pelo caminho; Talvez naufragaram batendo em algum recife; Talvez ficaram em outros portos, não sei. Só sei que me arrependo não ter direção, viver sem rumo ter servido de um falso norte para tanta gente os levando a um naufrágio.

Hoje vejo, também, tanta gente pensando ser um enorme barco à vela e que esta com o timão de sua vida nas mãos, como eu pensava ter. Vejo pegando o mesmo rumo. Vejo também outros barcos, um pouco menores, outros maiores e menos seguros já seguindo o mesmo rumo do outro barco aparentemente melhor.

Hoje, Jesus precisa ser o meu timão, o meu leme e com suas mãos chagadas me guiar em sua direção, eLE é o porto e o farol. Vou passar por tempestades, ás vezes vou querer adernar, nesse momento eu preciso ser dócil e acreditar que sua misericórdia pode me lingar.

20110720

Maçons, o perigo anda a solta.


Maçom quer dizer pedreiro. A maçonaria foi criada em 24 de junho de 1717, surgiu da iniciativa dos pastores protestantes James Anderson e J.T. Desaguliers. Estes organizaram e constituíram a primeira constituição maçônica – “as landmarkers”. Datam fatasiosamente a sua criação no inicio dos tempos, devido à similaridade com o paganismo e apontam maçons ao longo da história.

Se são os pedreiros, nós somos os “tijolinhos” nesta construção de um mundo mais “igualitário, justo e fraterno”, porém, princípios naturalistas, um paganismo organizado, o que a Bíblia chama de “mundo”. Segundo eles a maçonaria é uma religião natural do homem e Deus é um conceito filosófico natural, Deus não ensinou nada ao ser humano.
Por isso não aceitam dogmas, religiões, nem na verdade que possa ser entendida pela inteligência. O homem deve aprender naturalmente com os acontecimentos da vida. Devido a isto a maçonaria luta para destruir as religiões e a ordem política do mundo. (base: Papa Leão XIII)

Estão por ai: São políticos, religiosos, gente de mídia, professores, empresários... Estão no governo, na igreja, nas escolas, nas faculdades, nos livros, nos jornais... Querem construir uma nova ordem de acordo com suas idéias. Apenas sabemos que pregam o naturalismo e o sincretismo, e esta é a única maneira de identificá-los, pois são discretos e secretos.

Eles professam diferentes religiões, se está no cristianismo é a bíblia, só que numa teologia naturalista e assim fazem com o Alcorão, com a Torá, com o livro de Maomé... O importante é passar uma doutrina naturalista e social conforme suas idéias gnósticas.

Após a proclamação da republica vários Padres e Bispos católicos que obedeciam o Papa foram presos porque se levantaram contra os maçons que estavam no governo, havia padres, também aliados aos maçons. Há, também, a possibilidade da ditadura militar ser um golpe contra os maçons que organizaram e manipularam a massa para a retomada de poder.

“A maçonaria, a principal, responsável em outros tempos, por movimentos libertários nacionalistas, tais como a Independência, Proclamação da República, Abolição da Escravatura...” (entrevistando um maçom/pensamnetoseentrevistas.blogspot).

Não sabemos onde estão e o que estão fazendo. Só declaram os feitos do passado, o presente é sigiloso ou apenas é declarado algumas ações sociais. Sabemos quem são pelas suas palavras e ações, que são baseadas no naturalismo e no campo da religião falam como sincretistas.

Alguns maçons conhecidos:

Políticos

Ademar de Barros - Esperidião Amin - Mário Covas - Barão do Rio Branco - Barão de Itamaracá - Benjamin Constant - Deodoro da Fonseca - Duque de Caxias - Fernando Prestes - Golbery do Couto e Silva - Hermes da Fonseca - Jânio da Silva Quadros - João Mendes - João Tibiriçá Piratininga - José Bonifácio de Andrada e Silva - Júlio Prestes - Nilo Peçanha - Prudente de Moraes - Washington Luis - Wenceslau Brás - Campos Salles - Delfim Moreira - Orestes Quércia

Cantores e artistas

Arrelia - Bob Nelson - Carequinha - Carlos Gomes - João Caetano - Jorge Veiga - José Wilker de Almeida - Lamartine Babo - Luis Gonzaga - João de Souza Lima Manoel de Nóbrega - Oscarito - Pixinguinha - Rodolfo Mayer - Rui Barbosa - Robert Stephenson Smith Baden Powell - Palhaço Picolino – Tonico (e Tinoco)- Vicente Celestino - Zé Rodrix - José Castellani .

Jornalista

Caldas Júnior - Evaristo da Veiga - José Maria Lisboa -

Religiosos católicos

Arruda Câmara - Azeredo Coutinho - Silva Coutinho - Frei Francisco de Sta. Tereza de Jesus Sampaio

Outros

Pedro I - Visconde do Rio Branco - Osório, general - José do Patrocínio - Lopes Trovão - Aristides Lobo - Bento Gonçalves - David Canabarro - Everardo Dias - Frei Caneca - José Clemente Pereira .

20110714

Eucaristia

“O Senhor na noite em que era entregue, tomou o pão, dando graças o partiu, e disse: Isto é meu corpo que se entrega por vós. Fazei isto em memória de mim. Da mesma forma, depois de cear, tomou a taça e disse: Esta é a nova aliança selada o com meu sangue. Fazei isto cada vez que a bebes, em memória de mim. De fato, sempre que comeis este pão e bebeis esta taça, anunciais a morte do Senhor, até que eLE volte”. 1ª Carta de São Paulo aos Corintios 11,23b-26)


Antes de ser entregue por Judas Escariote, chega o momento tão desejado por Jesus: “-Como desejei comer convosco esta vitima pascal...” “Dando graças o partiu” - neste ato de ação de graças surge à palavra Eucaristia (Eucaristia é o mesmo que ação de graças em grego). E esta Eucaristia não poderá cessar – “até que ele volte” - até que ele venha pela segunda vez. “Fazei isto em memória de mim”.

Eucaristia é fazer a memória da morte e ressurreição do Senhor, o corpo que foi entregue e o sangue derramado por nós. É presença Real: “Isto é o meu corpo, isto é o meu sangue” e é Ceia do Senhor feita com os discípulos que perpetuará nELE: “Eu vos digo que não tornarei a comê-la até que alcance o seu cumprimento no Reino de Deus”.

Eucaristia é o gesto de reconhecimento da presença de Cristo, foi assim com os discípulos de Emaús, é o próprio Jesus que ressuscitado parte o pão e doa a eles: “Entrou para ficar com eles à mesa, tomou o pão, o abençoou, partiu e deu a eles. Abriran-se os olhos deles e O reconheceram”. Repare que Jesus parte, mas não come o pão. Lendo a Palavra que falam dessa ação de graças não tem como dizer que é um simbolismo. Poderia se perguntar: Como Jesus estava na frente dos apóstolos e no pão ao mesmo tempo? Vele lembrar que a Santíssima Trindade é onisciente, onipotente e onipresente. Assim como Deus é um e está em todos os lugares ao mesmo tempo, assim também é o Espírito Santo e é claro: Jesus.

No sentido que a Eucaristia é uma ceia com os seus discípulos, surge então a Santa Missa – Celebração da Eucaristia. Podemos dizer que para essa Celebração criou-se uma preparação para um discipulado: Sacramento do batismo, confirmação e crisma, Sacramento da Reconciliação e ordem é a preparação para esse Sacramento maior, sem a Eucaristia não haveria os outros Sacramentos. Foram os discípulos que ceiaram com Jesus, discípulos é aquele que recebe os ensinos de outro e as segue, neste caso na Igreja católica têm toda essa preparação para formar discípulos, pois a Santa Ceia foi realizada com eles e não com a multidão.

Vemos sempre falar que a comunhão é somente alimento espiritual. Veja, logo depois da Santa Ceia os discípulos começaram a ver quem é o maior, Judas saiu e entregou Jesus, os discípulos se encheram de soberba após comungarem. “É chegada à hora”, Jesus não tinha outra hora para instituir a Eucaristia. A Igreja católica tem uma explicação que “A cruz e a Eucaristia é sinal de salvação e condenação”, como entender? Continua São Paulo: “Portanto quem comer o pão indignamente, é réu do corpo e do sangue do Senhor. Por conseguinte, que cada um examine antes de comer do pão e beber a taça. Pois quem não reconhece o corpo (do Senhor), come e bebe a própria condenação. Esta é a causa de haver entre vós muitos doentes, enfermos e muitos morreram. Se nos examinarmos não seremos julgados”.


O que diz a Didaqué o catecismo dos primeiros Apóstolos, achado arqueológico do ano 100dc:

1Celebre a Eucaristia assim:

2Diga primeiro sobre o cálice: ´Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da santa vinha do teu servo Davi, que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre´.

3Depois diga sobre o pão partido: ´Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da vida e do conhecimento que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre.

4Da mesma forma como este pão partido havia sido semeado sobre as colinas e depois foi recolhido para se tornar um, assim também seja reunida a tua Igreja desde os confins da terra no teu Reino, porque teu é o poder e a glória, por Jesus Cristo, para sempre.

5Que ninguém coma nem beba da Eucaristia sem antes ter sido batizado em nome do Senhor, pois sobre isso o Senhor disse: “Não dêem as coisas santas aos cães”. ( Didaqué capítulo IX)

O que diziam os Cristãos mais próximos de Jesus, assim como São Paulo:

Santo Inácio de Antioquia De 35 a 110dc.

Os cristãos se vêm confrontados com uma corrente de pensamento chamada docetismo, que vai negar que "o Verbo Se fez carne", ou seja, vão negar que Jesus Cristo tenha assumido a natureza humana. Uma das consequências de tal doutrina é que vão considerar impossível de que no culto que Cristo instituiu na Santa Ceia, e pediu, ordenou que fizesse em Sua memória o Pão seja o Corpo de Cristo e o Vinho seja o Sangue de Cristo:
Ficam longe da Eucaristia e da oração, porque não querem reconhecer que a Eucaristia é a Carne do nosso Salvador, Jesus Cristo, a qual padeceu pelos nossos pecados e a qual o Pai, na Sua bondade, ressuscitou. Estes, que negam o dom de Deus, encontram a morte na mesma contestação deles. Seria melhor para eles que praticassem a caridade, para depois ressuscitar.Assegurem, portanto, que se observe uma Eucaristia comum; pois há apenas um Corpo de Nosso Senhor, e apenas um cálice de união com Seu Sangue, e apenas um altar de sacrifício - assim como há um bispo, um clérigo, e meus caros servidores, os diáconos. Isto irá assegurar que todo o seu proceder está de acordo com a vontade de Deus." (Epístola aos Filadelfos)

São Justino De 103 a 165 dc

“Os apóstolos em suas memórias que chamamos evangelhos, nos transmitiram a recomendação que Jesus lhes fizera. Tendo ele tomado o pão e dado graças, disse: Fazei isto em memória de Mim. Isto é o Meu Corpo [Lc 22,19 ; Mc 14,22]; e tomando igualmente o cálice e dando graças, disse: Este é o Meu Sangue [Mc 14,24], e os deu somente a eles. Desde então, nunca mais deixamos de recordar estas coisas entre nós” (Justino – I Apologia Cap. 66-67 : PG 6,427 - 431).
Designamos este alimento eucaristia. A ninguém é permitido dele participar, sem que creia na verdade de nossa doutrina, que já tenha recebido o batismo de remissão dos pecados e do novo nascimento, e viva conforme os ensinamentos de Cristo. Pois não tomamos estas coisas como pão ou bebida comuns; senão, que assim como Jesus Cristo, feito carne pela palavra de Deus, teve carne e sangue para salvar-nos, assim também o alimento feito eucaristia (...) é a Carne e o Sangue de Jesus encarnado. Assim nos ensinaram." (Primeiro livro das Apologias de Justino, pag. 65-67.)

São Irineu de Lyon de 115 a 202dc

No Tratado contra as heresias Irineu redige a doutrina da Eucaristia: Corpo e Sangue de Cristo e a ressurreição da carne:
Se não há salvação para a carne, também o Senhor não nos redimiu com o Seu Sangue. Portanto, quando o cálice de vinho misturado com a água e o pão natural recebem a Palavra de Deus, transformam-se na eucaristia do Sangue e do Corpo de Cristo. Recebendo a palavra de Deus, tornam-se a eucaristia, isto é, o Corpo e o Sangue de Cristo. Assim também os nossos corpos, alimentados pela eucaristia, depositados na terra e nela desintegrados, ressuscitarão a seu tempo, quando o Verbo de Deus lhes conceder a ressurreição para a glória do Pai. É ele que reveste com sua imortalidade o corpo mortal e dá gratuitamente a incorruptibilidade a carne corruptível. Porque é na fraqueza que se manifesta o poder de Deus.

20110707

A teoria do coco.

Muitas pessoas não sabem que no mundo animal quanto mais colorido, mais perigoso, mais venenoso. Certos moluscos com aparência atraentes, coloridas e brilhantes são perigosíssimos; assim acontece com os caranguejos, sapos e rãs e outros animais.



O coco é algo duro, tem uma casca grossa. Imagina alguém que não sabe o que tem dentro do coco. Se olharmos o coco somente pelo lado esterno seria o fruto mais repugnante que existe. Alguém, algum dia, teve curiosidade, fez o esforço de romper a casca e descobriu que é um alimento fabuloso.


O maligno é como um molusco colorido: brilhante, atraente, com aparência dócil, paparicador... Porém, gera morte.

Sei que minha comparação é infantil e sem sabedoria.



Mas seguir Jesus Cristo é como um coco, se olharmos bem a aparência não é convidativa, tem casca grossa, mas, se criarmos coragem e rompermos a casca chegaremos ao alimento que gera vida eterna.

20110623

Tatuagens, o que são?

O principio que proponho sobre tatuagens é estudar com profundidade o 1º Mandamento. No 1º Mandamento de Deus encontramos explicações do porque não podemos fazer uma tatuagem, exemplos:

1) As pessoas que são tatuadoras geralmente não possuem uma fé monoteísta, geralmente são ateus e possuem conhecimento distorcido sobre Deus. São intelectualmente autônomos com o conceito certo e errado criado “naturalmente” ao longo da vida.
2) São inúmeros os pecados ligados a tatuagens:
• Sacrilégio: Consiste em profanar ou tratar indignamente os sacramentos e as outras coisas litúrgicas, bem, como as pessoas, as coisas e os lugares consagrados a Deus. (O batismo é uma consagração a Deus).
• O corpo é templo do espírito Santo.
• Simonia: Compra e venda de realidades espirituais.
• Adivinhações, horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságio e da sorte, uso de amuleto, estas prática contradizem a honra e o respeito que devemos exclusivamente a Deus.
• O uso de tatuagens se encaixa no conceito de incredulidade...

A pandemia das tatuagens, hoje, se dá a um adereço, algo ligado a beleza estética. As tatuagens é uma moda erótica ligada ao culto ao corpo, carência afetiva, busca por aceitação na sociedade. Também pode estar ligado a prepotência humana, tipo um ar de superioridade.

A Igreja e a Bíblia:

A palavra da Igreja: “Se a moral apela para o respeito à vida corporal, não faz desta um valor absoluto, insurgindo contra uma concepção neopagã que tende a promover o culto ao corpo, a tudo sacrificar-lhe, a idolatrar a perfeição física e o êxito esportivo. Em razão da escolha seletiva que faz entre fortes e fracos, tal concepção pode conduzir à perversão das relações humanas”. (C.I.C 2298)

“Fora das indicações médicas de ordem estritamente terapêuticas, amputações, mutilações ou esterilizações diretamente voluntárias de pessoas inocentes são contrárias à lei moral”. (C.I.C 2297).
Bíblia: “Não fareis incisões na vossa carne por um morto e nem fareis figura alguma no vosso corpo. Eu sou o Senhor” (Lv 19,21).

E quem já tem uma tatuagem? Deus é rico em misericórdia e sabe perdoar os erros do passado.


Tatuagens com temas esotéricos.


Libélula - Ilusão, ventos da mudança, comunicação com o mundo transcendental. Tem um significado Místico como representante dos Espíritos bons que velam pelos Vivos aqui na Terra. Transmite tanto uma aura de mágica e fantasia quanto de liberdade, mudança e iluminação. Inseto atraído pela luz representa no esoterismo a imortalidade e a regeneração.


Dragão: No esoterismo o dragão simboliza a potência e força viril, calor, mensageiro da felicidade, senhor da chuva, fecundação, força vital, riqueza, cruas forças da natureza, os tesouros da mente inconsciente. Para nós cristãos o dragão simboliza satanás, o inimigo, lúcifer o anjo que caiu do céu.


Borboleta: Para o esoterismo se uma borboleta é vista enquanto faz uma visualização nenhuma energia negativa entrará na área imediata. No entanto a borboleta no meio esotérico é usada como amuleto contra energias negativas. Na nova era a borboleta representa a saída de uma condição casta para uma vida sexual ativa – a lagarta que sai do casulo.




O significado tradicional das flores vem da época Vitoriana. Naquele tempo era impróprio declarar abertamente seus sentimentos, criou-se então a “Linguagem das Flores” para demonstrar suas intenções sem falar uma palavra sequer. No esoterismo simboliza fetiche, amuleto para o amor e ternura.


Tatuagens com tema bruxaria:



Lua e estrela: simboliza poder para transportar através do cosmo, símbolo principal na bruxaria. No meio esotérico a lua tem sua importância devido ao suposto poder que ela exerce sobre a natureza e as pessoas.

O significado de uma tatuagem de estrela é amplo e variado: símbolo da magia negra, a estrela de ponta para baixo é usada como adesão a satanás, pois é o contorno do cabeça de bode. Podem ser esotérico e representar a sorte em forma de amuleto ou patuá, simbolizando a estrela-guia que protege e conduz. Podem ser feitas para simbolizar uma conquista, para cada conquista uma nova estrela e sinal feminilidade e erotismo quando feitas alinhadas em aumento gradativo.



O significado geral de fadas e guinomos na bruxaria é a personificação dos desejos humanos, símbolo da eterna juventude, desejo de manter-se criança. As fadas são uma espécie de amuleto, que protege o presente e o futuro do indivíduo.


Tatuagens “ta moko”:. conhecidas pelos Maoris, sempre foram uma parte importante de sua cultura. Os primeiros colonos maoris da Nova Zelândia trouxeram esta prática de suas terras polinésias. Tatuagens eram usadas para significar status e posição social. No início da sociedade Maori a maioria das pessoas era tatuada, o tipo e a quantidade de tatuagens refletiam o seu status. Também eram usadas para atrair o sexo oposto. Receber tatuagens era um passo importante para a maturidade, havia muitos ritos e rituais a deuses associados ao evento. Algumas tatuagens “moko” escondem símbolos de adoração a deuses


Tatuagens com temas marítimos: Símbolos ligados a amuletos de proteção. Os golfinhos, tubarões, tartarugas e baleias. O golfinho (papahu) simboliza a “liberdade” e afinidades com o mar, assim com a proteção a tubarões. Baleia (ka Moana) símbolo de proteção, estar conectado com o oceano e protegido de ventos. Amuleto para o companheirismo e a amizade.


Tatuagem de hena: conta à mitologia hindu que o deus Shiva não olhava mais para as mulheres depois de ter ficado viúvo. No entanto, Parvati apaixonou-se por ele e fez de tudo para chamar sua atenção. Um dos artifícios usados foi aplicar tatuagens de hena nas mãos, que se tornaram muito sensuais. Daí então as tatuagens de hena começaram a serem usadas como uma espécie de ritual de preparação para deixar a casa de seus pais e começar uma nova vida ao lado do marido, mas depois começou a simbolizar a perda da virgindade e é tida como um poderoso elemento de sedução.


Tatuagens “xamã”: são ligadas natureza, a terra e tudo que é proveniente dela, e ainda, ao mundo animal e aos poderes sobrenaturais que estes e alguns homens possuem.
São designados como povos aborígenes, autóctones, nativos, ou indígenas. Mesmo sendo a relação mais antiga da humanidade com o espírito, o xamanismo é um conjunto de habilidades e práticas acumuladas pacientemente e não uma religião. No meio xamã, tatuagens, perfurações, escarificações ou outras marcas, pode significar lição de vida ou inicio na comunidade.


Letras japonesas: No Japão, cerca de 300 aC a 300 dC, uma tatuagem sempre transmitiu um certo significado espiritual e também serviu como um símbolo de status decorativo. Cada letra serve como amuleto dependendo de sua caligrafia.